Cumulonimbo

Cumulonimbo

sábado, 10 de dezembro de 2016

Vento muito forte / Grupos Ocidental e Central / 7 dezembro '16

Devido a uma depressão em forte cavamento, cujo núcleo passou perto do grupo ocidental, a noroeste, registou-se uma descida muito significativa da pressão atmosférica, que atingiu os valores mínimos de 985,7 hpa nas Flores e de 985,8 hpa na ilha do Corvo.
No entanto, o efeito mais significativo foi o vento muito intenso que se registou quer no grupo ocidental quer no central, especialmente durante o início de noite do dia 7 de dezembro. De seguida são mostrados os valores de vento médio e rajada máxima registados em todas as ilhas aquando da passagem desta depressão (valores IPMA, em km/h):

Corvo (aeródromo):102/147
Flores (aeroporto):72/115
Faial (aeroporto):72/150
Faial (Observatório Príncipe Alberto do Mónaco):72/141
Pico (aeródromo):44/89
Graciosa (aeródromo):53/93
Terceira (Observatório):50/94
São Miguel (aeroporto):46/79
São Miguel (Nordeste): 27/68
Santa Maria (aeroporto):55/76

Por motivos desconhecidos, não foram apresentados valores relativamente a São Jorge, embora se saiba que uma estação meteorológica particular, localizada na Vila do Topo registou uma rajada máxima de 127 km/h.

Os valores de vento da ilha das Flores podem não refletir inteiramente a situação real, pois o aeroporto da ilha situa-se na zona Leste, ficando parcialmente abrigada do quadrante dos ventos.

De notar que pelo que tenho conhecimento, as rajadas mais fortes registadas no Faial e São Jorge foram acompanhadas de chuva muito intensa na passagem da frente associada à depressão.



Citando uma notícia do site Notícias do Minuto:

«O presidente da Câmara do Corvo, José Manuel Silva, disse à agência Lusa pelas 22:00 locais (mais uma hora em Lisboa) que "três habitações sofreram danos, em janelas, portas e cobertura numa delas", assim como a "esplanada de um restaurante que foi destruída parcialmente", não havendo vítimas a registar.
Na vizinha ilha das Flores, que com o Corvo integra o grupo ocidental do arquipélago, "há pequenos danos materiais num telhado e num portão que o vento arrancou", adiantou o presidente da Câmara das Lajes das Flores, Luís Maciel.
"Não é nada de muito significativo", declarou Luís Maciel, salientando que trabalhadores da autarquia mantêm-se a postos para qualquer eventualidade.
Na mesma ilha, no concelho de Santa Cruz das Flores, "não há ocorrências a registar", sendo que "os bombeiros ainda não saíram do quartel", declarou o presidente da autarquia, José Carlos Mendes.
"O vento está a soprar com muita intensidade, mas não há cortes de eletricidade, nem estradas obstruídas", esclareceu José Carlos Mendes.»

 Citando agora uma notícia da TSF, segundo a qual se registaram 18 ocorrências (em seis ilhas, dos grupos ocidental e central):

«Dos 18 incidentes registados entre as 20:00 e cerca das 23:30 locais (mais uma hora em Lisboa) de quarta-feira, 13 reportam-se a danos em casas e, destes, sete tiveram lugar na ilha do Faial.
Há, ainda, registo de quedas de árvore e uma inundação em via pública.»

Ainda quanto aos danos materiais, no Faial é conhecida a queda de árvores e telhados danificados, em especial na freguesia das Angústias. Além disso, alguns sinais de trânsito ficaram dobrados na horizontal com a força do vento.

Segue-se um video captado por Kathy Rita, na ilha do Corvo, aquando da passagem do temporal:
 https://www.facebook.com/kathy.rita.73/videos/10211144994883915/

domingo, 28 de agosto de 2016

Previsão / Furacão Gaston / Grupo Ocidental / 3 setembro '16

Em plena época de furacões do Atlântico, surge uma notícia que deverá interessar aos açorianos: a ameaça do furacão Gaston.
Este furacão tem, desde há vários dias, indicado uma possível passagem a noroeste do grupo ocidental, ora aumentando, ora diminuindo a sua proximidade. Porém, o que é certo é a tendência para a rota se aproximar dos Açores, o que poderá implicar algumas preocupações, quer quanto ao acompanhamento da sua passagem, quer a nível dos procedimentos necessários a este tipo de fenómenos.
Quanto à sua intensidade, deverá continuar um furacão de categoria 2 nas próximas horas, devendo diminuir para categoria 1, embora haja alguns modelos a mostrar uma possível passagem para categoria 3. De qualquer das formas, parece razoável esperar um enfraquecimento e, se passar sobre o grupo ocidental, deverá passar com categoria 1 ou já enquanto tempestade tropical. De momento, o GFS prevê ventos temporariamente de furacão sobre as Flores e o Corvo:
No entanto, a cada dia que passa deve ser atualizada esta informação, pois o evento ainda é distante a nível temporal.

Atualização 20h55 de 28/08
Gaston é já um major hurricane, pois atingiu a categoria 3 de furacão:

 

domingo, 17 de abril de 2016

Reportagem fotovideográfica / Tromba de água e possíveis tornados / São Miguel / 17 abril '16

Ao início da tarde, na ilha de São Miguel, concelho de Ponta Delgada, registaram-se fenómenos pouco comuns de vento, que passo a descrever conforme vivenciado.
As fotos são da autoria da Bruno Miguel e o vídeo da autoria de Carlos Tavares. 

Noto que a nuvem se começou a formar ao fim da manhã, com a aparência da famosa "nuvem do Pópulo", provocada por efeito orográfico e bastante comum no Verão, e, já pouco depois do meio dia, se formavam consecutivamente vários funis de pequena dimensão e pouco visíveis na nuvem que se situava sobre os Arrifes, de um modo geral:



E, depois do almoço, pouco depois da 13h30, vou à janela e observo a nuvem ainda em constante mudança "disfarçada e suave"; momentos antes, nessa nuvem, tinha-se formado um funil ou mesmo tornado, o que foi filmado a partir de Rabo de Peixe por Carlos Tavares.

video

Nessa altura avisto uma forma no lugar onde se viria a dar a tromba d'água (uns 5/10 minutos depois): 


Ampliando, na base da nuvem, um funil "grosso" ainda mal definido:
Entretanto forma-se um funil bastante definido (o mesmo que na primeira fotografia) sobre o que julgava ser os Arrifes, mas como a foto foi tirada da Lagoa, agora percebo que provavelmente estava localizado bem mais perto de mim, talvez em São Roque ou Fajã de Baixo: 









Começa-se a distinguir agora um pequeno funil à esquerda: 


E começa a aumentar a rotação da futura tromba de água: 

Aqui toca no mar, mas não se deixe de olhar para o anterior funil, que aguenta, aguenta... enquanto a tromba de água se forma: 


 Avançando para sul...


E assim se dissipa a tromba de água, vendo-se, mesmo a uns bons km de distância o movimento giratório da água como se estivéssemos perante um repuxo: a água soltava-se na atmosfera e caía livremente!

Por fim, não poderia deixar de colocar aqui uma foto fantástica do fotógrafo José Borges, a partir das Portas do Mar, em Ponta Delgada: 


Acrescento ainda que o aguaceiro bastante visível na penúltima foto, nomeadamente, foi acompanhado de granizo, pelo menos em São Roque, havendo vídeos relativos a tal evento. Também ocorreu trovoada, tendo avistado pelo menos dois raios para a zona norte da nuvem (visível apenas nas fotos menos ampliadas).

Quanto a estragos, de referir a destruição parcial dos tectos das estufas de ananases em São Roque, cujo motivo será a queda de granizo ou o funil visível nas fotos sobre terra, que, pelas imagens, não é possível comprovar se foi, por momentos, um tornado.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Reportagem fotovideográfica / Aguaceiros pontualmente com granizo e trovoadas / Grupos Central e Oriental / 14-17 abril '16


A instabilidade provocou, na ilha de São Miguel, pelo menos um aguaceiro acompanhado de algum granizo, por volta da hora de almoço. Registou-se um trovão no Pico da Pedra, concelho da Ribeira Grande, relacionado com essa célula e, mais tarde, também se ouviu um trovão em Vila Franca.

Ao longo dos dias tem-se registado aguaceiros pontualmente acompanhados de granizo em todos ou quase todos os dias entre 14 e 17 de abril, tendo no dia 17 ocorrido queda de granizo acompanhando a nuvem que gerou a tromba de água, e caracterizado um aguaceiro sobre a Serra da Barrosa, como iremos mostrar brevemente.

As trovoadas têm sido bastante frequentes, nomeadamente em ilhas como Faial (que registou por vezes trovoadas durante horas seguidas, acompanhadas de aguaceiros de granizo), Terceira e São Miguel (tendo esta última ilha registado trovoada dispersa e frequente vinda de todos os quadrantes, mas especialmente perto do maciço das Sete Cidades, durante horas seguidas).
Seguidamente, fotos de um cumulonimbo (do dia 15 abril) e um vídeo de outra nuvem de tempestade fantástica, que se manteve durante horas a norte do Faial (de 16 abril):





A seguir, uma foto tirada pelo fotógrafo Álvaro Miranda, de um relâmpago ocorrido sobre o maciço do Fogo, no centro da ilha:


Há relatos de queda de granizo dia 13, em Castelo Branco, no Faial, e dias 14, 16 e 17, na Terceira.
Relativamente à ilha Terceira, no dia 14, temos a seguinte foto, na via rápida Vitorino Nemésio:


Relativamente à mesma ilha, no dia 16, temos as seguintes fotos:




Também de dia 16, da autoria de Susy Matos e Mauro Romeiro, partilhadas na página do facebook "Eu sou da ilha Terceira Açores":





Ainda nesta ilha, dia 17, as estradas das Doze Ribeiras ficaram assim (foto de Paulo Pires):


Todas estas fotos de granizo da Terceira foram colocadas na página do facebook "Eu sou da ilha Terceira Açores".




quarta-feira, 13 de abril de 2016

Reportagem fotovideográfica / Neve / Grupo Central / 13-15 abril '15

Bom dia!

A depressão localizada a noroeste da Península Ibérica e que tem causado dias de mau tempo, com aguaceiros fortes, de granizo e acompanhados de trovoada no litoral norte do continente (especialmente) também tem sido responsável por uma circulação de noroeste, associada a instabilidade e tempo fresco, no arquipélago dos Açores.

Ora, hoje, 13 de abril, já em primavera avançada, esta circulação depressionária brindou-nos com algo não muito comum para a época: neve na montanha do Pico até aos 1200 metros pelo menos!

De notar a baixa probabilidade que isto tinha para ocorrer, com o modelo GFS a indicar uma cota de neve de 1250 metros e um nível de congelamento de 1700 metros, aproximadamente.

Aqui seguem as fotos, da autoria de Susana Silva:







Fonte: meteopt.com
Fonte:windguru.com
No dia 14 de abril, Rui Silva tirou estas fotos fantásticas e únicas:





 Mais tarde, no dia 15 de abril, o fotógrafo Rui Vieira tirou esta esplêndida foto, nas Velas, São Jorge, onde se vêem nuvens de aguaceiros pontualmente fortes (cumulonimbos) por detrás da montanha do Pico, invulgarmente repleta de neve nesta altura do ano: